Pular para o conteúdo principal

Better Call Saul: Review "Mijo" 1x02



Passado a euforia, chegou a hora de ver o que Jimmy tem a nos dizer.

A estreia de Better Call Saul trouxe um banho nostálgico, a aceitação da série foi imediata, e até os mais desconfiados gostaram de sua estreia, ainda mais com as aparições de saudosos personagens. E essa nostalgia está longe de acabar, ainda mais com a possibilidade de outros personagens surgirem. 

Contudo, a história precisa ser contada, e claro, deram grande continuidade à trama, com a perspicácia de sempre. O roteiro de Peter Gould tratou de inserir na série detalhes do personagem Tuco (Mijo) na vida de Jimmy, com total relevância e concordância com o que conhecemos do personagem. A seis anos antes de Walter, Tuco já era o "rei", porém não tinha um QG que pudesse comandar o seu negócio, estava ainda na barra da saia de sua avó, mas tinha os seus fiéis pupilos que ajudavam a fazer o trabalho sujo.

Conhecemos Varga, personagem vivido pelo ator Michael Mando, uma espécie de braço direito de Tuco, que deve morrer em algum momento nos próximos seis anos, pois não foi inserido em Breaking Bad. Varga já mostrou suas garras, persuadindo Tuco para manter a vida de Jimmy, obviamente planejando roubar o cliente ladrão que Jimmy tentava enganar. Uma boa jogada para dar seguimento ao núcleo, pois Tuco não apareceria em todos os episódios da série, e Varga terá presença constante na trama, em seu lado criminoso. 


E as ações de Varga começam a despertar o outro lado de Jimmy, e claro, já vimos esse filme antes. Jimmy até então tenta ser um advogado honesto, seguir a lei, apesar do deslize (arrependido) de tramar com os moleques skatistas. Segue tentando não morrer de fome; segue sem clientes potenciais; sem recados na secretária eletrônica; sem perspectiva alguma, exceto: ganhar um dinheiro ajudando Varga, fato que pode corrompê-lo definitivamente, segundo passo para a transformação em Saul Goodman.

Mas o "Mijo" do momento, Tuco, teve presença marcante no episódio, demostrando sua tradicional maldade, porém sendo "maleável" com suas decisões. Jimmy não ganhou dinheiro, mas praticamente esteve no tribunal à frente de Tuco, vencendo o processo. Salvou sua vida, salvou a vida dos dois moleques, reduzindo e muito a pena de todos. Mostra competência, mesmo sendo atabalhoado, porém não ficará nessa "pitimba" pra sempre, ademais, tendo seu irmão Chuck sempre jogando contra. 

A série segue bem dramática, mas os momentos cômicos são vistos, e Mike tem protagonizado momentos divertidos com Jimmy, e aquela sensação que ele quebrará a cara do nosso advogado surge sempre, e óbvio, temos certeza que isso acontecerá em algum momento. Jimmy em um encontro, olhando para os seios de sua companheira, sendo desconcentrado pelo barulho que lembrava pernas quebradas, enfim. A dose de humor, com trilha sonora divertida ao fundo, foi vista mais uma vez.


O episódio teve a direção de Michelle MacLaren, diretora responsável por dirigir muito dos melhores episódio de Breaking Bad, como "To'hajiilee", "Buried", "Salud", "One Minute", entre outros. Mais uma vez sua competência foi mostrada, e mais uma vez, não faltou os clássicos momentos em que podíamos acompanhar cenas através de um ângulo de um objeto.  

Após dois episódios que foram exibidos praticamente em sequência, a série pausa por alguns dias, prometendo seguir com a transformação de Jimmy, e nos dando, em meio esse tempo, detalhes de como era o trágico início de carreira de Saul Goodman. Somos levados a ter pena do personagem Jimmy, fato que fará com que, talvez, possamos avalizar suas atitudes criminosas, como muitos de nós avalizamos as atitudes criminosas de Walter White.