Dez Coisas na Mente de Vince Gilligan sobre os Episódios Finais de Breaking Bad


"Nós não vamos agradar a todos, não vamos agradar a todo... isso é o que eu continuo dizendo a mim mesmo, para que eu possa dormir a noite" - Vince Gilligan.

Vince Gilligan riu no mês passado, mesmo que ele não estava exatamente brincando. Quando falou a Vulture, ele estava colocando os toques finais do terceiro ao ultimo episódio, ficando muito perto de resolver o final da série. A sala de escritores tinha ficado um pouco "esquizofrênica", disse Gilligan: "Eles estão levando o dobro do tempo normal, ou cerca de três semanas e meia, para fechar cada um desses episódios finais, e, ao invés de construir a partir do zero, eles tiveram de usar um pouco de engenharia reversa para chegar onde eles devam chegar até o final.

É mais do que fazer o habitual, trabalhando ansiosos para amarrar muito bem as coisas. "Vai ser "polarizador", não importa como você o faria," disse Gilligan, "mas você não quer que 10 por cento digam que foi grande e 90 por cento digam que "fodeu".

Ele levou algum tempo para dizer 10 coisas em sua mente enquanto se dirige para a reta final.

1. A evolução do destino de Walt.

A metamorfose do professor de química doce, mas doente, ao traficante totalmente corrompido, fez Walter White um dos personagens mais dinâmicos da TV, e assim, como ele mudou ao longo das temporadas, também dá ideia de como Gilligan terminará sua saga. "Eu tinha essa confiança estranha no início, que eu tive uma ideia para o final que era perfeito, mas ao olhar para trás na vida da série, percebo que pedalei por tantos finais possíveis. Seria hipócrita em dizer que eu sempre tinha imaginado" disse Gilligan. "Ele tem evoluído nos últimos cinco anos, e provavelmente ainda evoluirá. Ele está plantando bandeiras ao longo do caminho para ajudar a orientar na direção, mas ainda reserva o direito de poder mudar de rumo. Eu leio entrevistas com críticos o tempo todo dizendo que sabem exatamente onde isto está indo. Eu sempre acho isso muito interessante e não duvido por um minuto. É que eu não posso ver o caminho claro para fazer isso, porque os personagens de Breaking Bad estão em um estado de constante mudança", disse ele. "Quando um personagem vai ser uma pessoa diferente do que era há cinco, seis, dez ou dezesseis episódios atrás, é difícil prever o futuro".

2. Como "Casablanca" tem o valor correto. 

Em termos de criar o fim, Gilligan diz que os escritores não falam sobre TV, eles falam de filmes. E para ele, Casablanca permanece "muito perfeita". Ninguém consegue tudo o que quer. O cara não fica com a garota, mas ele tem a satisfação de saber que ela o queria. E ela não a leva, pois tem que salvar o mundo. Que fim seria melhor que esse?" disse Gilligan. "Eu não estou dizendo que vamos abordar isso ou chegar nessa direção. Nossa história não se alinha (com Casablanca). Mas nós estamos procurando por esse tipo de satisfação".

3. Tempos de Arquivo X. 

Gilligan ainda estava na equipe de "Arquivo X", quando a série chegou a seu final muito aguardado, mas como um "monstro-da-semana", como ele se descreve. Nunca teve que se preocupar em fazer as conspirações serem sincronizadas. Ele escreveu o penúltimo episódio "sunshine days" (que não tinha nada a ver com a história global da série). Eu meio que assisti de longe como Chris Carter e Spotnitz Frank quebraram esses episódios e eles sempre fizeram minha cabeça doer sem saber como vincular isso e aquilo. Eu deveria ter prestado mais atenção na época.

4. Voltando para o piloto.

Ah,sim. O Walt com suas cuecas. Os escritores têm passado muito tempo indo para trás nesse primeiro episódio, que começou com o aniversário de 50 anos de Walt e a descoberta de que tinha câncer e terminou com sua parceria com Jesse Pinkman, inventando a mais pura metanfetamina e matando dois traficantes. Há ecos de inicio que podemos ter no final? "Há um tipo de circularidade que pode ser agradável", disse Gilligan. "Nós pensamos muito sobre isso na verdade".

5. Henry Mancini. 

Gilligan, li recentemente uma entrevista antiga com o compositor que perguntava o tipo de música que ele gostava. Mancini disse que gosta mais das que são construídas em um sentimento de inevitabilidade. "Ele disse algo como que se as melhores composições, são as que surpreendem em algum momento, mas em outros, você sabe para onde estão indo e há esse sentimento de satisfação que deriva essa inevitabilidade. disse Gilligan. "Isso realmente mexeu comico, porque é isso que acho que fazemos nesse programa. Tentamos ter uma surpresa em cada esquina, mas o inevitável também. O oposto de surpresa. É algo que eu sinto que deveria e será um componente importante para o final da série. Para mim, isso é algo importante e algo que deveria ser abraçado. O sentimento de "eu acho que sei onde isso vai dar".

6. Trazendo Walt à justiça...ou não. 

"É claro que ele precisa ir e Jesse precisa puxar o gatilho!" Não. O câncer vai voltar e ele vai morrer sozinho? Não. Ele vai ser mais esperto que todo mundo novamente e fugir? Este é o debate interminável entre os fãs. É a pergunta mais importante que os escritores devem responder. "Será que Walt vai fugir? No entanto, Gilligan que volta-e-meia não está acontecendo. "Não realmente", diz ele. "Estou mantendo minha própria visão do mundo. Só faz sentido pra mim que as pessoas más devem ser punidas e as boas, recompensadas. Eu sei que não é assim que funciona na vida real, mas há sempre aquela saudade. Mas esse desejo de punição não se aplica ao mundo inventado que ele criou, mesmo que a justiça possa ser, de fato inevitável. Curiosamente, eu não sinto nenhuma pressão real para pagar os personagens, moralmente falando", disse Gilligan.

7. Uma última mensagem de saída de "O Poderoso Chefão". 

Uma das maneiras preferida de Gilligan para descrever a queda de Walt é dizer que ele passou de Mr. Chips de "Scarface", mas houve muito mais de "Poderoso Chefão" ao longo do caminho. No final da mid-season, Walter fechou a porta da garagem no rosto de Jesse, e muito, da mesma forma que Michael mandou Kay fora de seu escritório, e seu assassinato meticulosamente cronometrado. "Estamos sempre nos perguntando: como isso se relaciona com "O Poderoso Chefão"? No final, podemos dar ainda mais evidência à ponta do chapéu", disse Gilligan.

8. Dar a cada personagem seu devido fim.


Sem contar a bebê Holly, o show tem nove personagens principais, incluindo os novos recrutas, Lydia e Todd. Gilligan diz que ocasionalmente se sente como "um ou dois a mais". "As vezes é difícil dar-lhes todo seu devido enredo e embrulhar-los lindamente. Esse é outro grande medo que tenho". Um resultado que é devidamente seguro assumir? Saul vai sobreviver. "Eu gosto de pensar em Saul como uma barata, da melhor maneira possível", disse Gilligan. "Este é um cara que está indo pra sobreviver, enquanto o resto foram "nús" para a aniquilação. Ele vai ser a barata pior vestida do mundo". 

9.Triunfo de Hank. 

Demorou 54 episódios, mas no final da mid-season, Hank finalmente descobre que seu cunhado é Heinsenberg. Hank não foi concebido como o homem a trazer Walt para baixo; Gilligan inicialmente disse que precisava da imagem de macho turbulento para o "manso cozinheiro". Mas Hank revelou-se não mais esperto que Walt, e sim, mais obstinadamente persistente. E quem sabe ele vai realmente começar a derrubar Heinsenberg, mas o campo de jogo foi nivelado. "Nós descobrimos que Hank é muito, muito bom em seu trabalho". "Você sabe, eu amo a série de TV "Columbo". Hank é como um pós-moderno atirador
para Columbo", disse Gilligan.

10.Finalidade.

Não haverá nenhum filme Breaking Bad. 62 episódios, é isso. Quantas maneiras Gilligan pode dizer? "Com ou sem razão, não haverá um final conclusivo", ele me disse. "Nossa história desde o início foi criada para ser um "close-ended". É muito projetado para ter um começo, meio e fim e depois não existem mais.

Matéria publicada no Vulture.
Traduzida por Elton Bazoni. Facebook -  E-mail: eltonbazoni@hotmail.com
Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.